Oyá, mais conhecida no Brasil sob o nome de Yansã, é a divindade dos ventos, das tempestades e do rio Niger que, em Yorubá, chama-se Odô Oyá, o Rio Oyá. Foi a primeira mulher de Xangô e tinha um temperamento ardente e impetuoso. Conta uma lenda que Xangô enviou-a em missão ao país dos Baribas, a fim de trazer-lhe um preparado que, uma vez ingerido, lhe permitiria lançar fogo e chamas pela boca e pelo nariz. Oyá, desobedecendo as instruções do esposo, experimentou esse preparo no caminho de volta a Oyó, tornando-se também capaz de cuspir fogo, o que provocou grande desgosto em Xangô que desejava guardar, só para si, esta terrível faculdade.
Oyá foi, no entanto, a única das mulheres de Xangô que, ao final de seu reinado, seguiu-o na sua fulga ao páis de Tapa. E quando Xangô recolheu-se para debaixo da terra, em Kosô, ela repetiu o feito em Irá.
Antes de se tornar mulher de Xangô, Oyá tinha vivido com Ogun. Vimos, em capítulos precedentes, como a aparência do deus do ferro e dos ferreiros e causou-lhe menos efeito que a elegância, o garbo e o filho do deus do trovão
Ela fugiu com Xangô e Ogun, enfurecido, resolveu enfrentar o seu rival; mas este foi à procura de Olodumaré, o deus supremo, para confessar-lhe que havia ofendido Ogun. Olodumaré interveio junto ao amante traídoe recomendou-lhe que perdoasse a afronta. E explicou-lhe: "Você, Ogun, é mais velho do que Xangô!" (seu avô, se acreditarmos nas lendas referidas mais acima, onde ogun é pai de Oranmiyan e este, pai de Xangô). "Se, como mais velho, deseja preservar sua dignidade aos olhos de Xangô, e aos dos outros Orixás, você não deve se aborrecer, não deve brigar, deve renunciar a Oyá sem recriminações". Mas Ogunnão foi sensível a este apelo, dirigido aos seus sentimentos de indulgência. Não se resignou tão calmamente assim, lançou-se ã perseguição dos fugitivos e, como vimos anteriormente, trocou golpes de varas mágicas com a mulher infiel que foi, então, dividida em nove partes.
Este número nove, ligado a Oyá, está na origem de seu nome Yansã e encontramos esta referência no ex-Daomé, onde o culto de Oyá é feito em Porto Novo sob o nome de Avessân, no bairro Akron, Lokorô dos Yorubás, e sob o Abessân, mais ao norte, em Baningbé. Estes nomes teriam por origem a expressão Aborimesan, "com-nove-cabeças", alusão, ao que parece, aos nove braços do delta do Niger.
Uma outra indicação sobre esta nome nos é dada pela lenda da criação da roupa de Egungun por Oyá. Roupas sob as quais, em certa circunstância, os mortos de uma família voltam à terra a fim se saudar seus descendentes. Oyá é o único Orixá capaz de enfrentar e de dominar os Egunguns:
"Oyá se lamentava por não ter filhos. Esta triste situação era conseqüência da ignorância das suas proibições alimentares. Embora a carne de cabra lhe fosse recomendada, ela comia carne de carneiro. Oyá resolveu consultar um Babalaô, que lhe resolveu o seu erro, aconselhando-a a fazer oferendas, entre as quais deveriam figurar tecido vermelho que, mais tarde, haveria de servir para confeccionar as vestimentas dos Egunsguns. Tendo cumprido esta obrigação, Oyá tornou-se mãe de nove crianças, que se exprime em Yorubá pela frase: Iya omo mesan, origem de seu nome Yansã. Assim que a roupa de Egungun, foi criada, formou-se, em torno dessa "novidade", uma sociedade composta exclusivamente de mulheres, com o objetivo de enfrentar a prepotência dos homens. Mas elas exageraram e se aproveitam da confusão provocada pela aparição desses seres estranhos, os Egunsguns, para enganar impunemente os seus maridos. Estes exasperados, conseguiram descobrir seu segredos, apoderaram-se da Sociedade e reservaram-na aos homens dela excluindo as mulheres para sempre" Existe uma lenda, conhecida na África e no Brasil, que explica de que maneira os chifres de búfalo vieram a ser utilizados no ritual do culto de Oyá-Yansã: "Um caçador foi em expedição à floresta. Colocando-se à espreita, percebeu um búfalo que vinha em sua direção. Preparava para matá-lo quando o animal, parando subitamente, retirou a sua pele. Uma linda mulher apareceu. Era Oyá-Yansã. Ela escondeu a pele num cupinzeiro e dirigiu-se ao mercado da cidade vizinha. O caçador apossou-se do despojo, escondendo-o no fundo de um depósito de milho, ao lado de sua casa, indo, em seguida, ao mercado a fim de fazer a corte à mulher búfalo. Ele chegou a pedi-la em casamento, mas Oyá recusou inicialmente, aceitou entretanto, quando, de volta à floresta, não mais achou a sua pele. Oyá recomendou ao caçador que não contasse a ninguém que, na realidade, ela era um animal. Viveram bem durante alguns anos. ela pôs nove crianças ao mundo, o que provocou o ciúme das outras esposas do caçador. Estas, porém, conseguiram descobrir o segredo da origem da nova mulher. Logo que o marido se ausentou elas começaram a cantar: Máa jé, máa mu, awó re nbe ninu aká, o que significa: "Você pode beber e comer ( e pode exibir a sua beleza) mas a sua pele está no depósito ( você não é senão um animal)". Oyá-Yansã compreendeu a alusão, achou a sua pele, revestiu-a e, tendo retomado a forma de búfalo, matou as mulheres ciumentas. Os seus chifres ela os deixou, em seguida, com os filhos, dizendo-lhes: "Em caso de necessidade, bata-os um contra o outro, e eu virei imediatamente em vosso socorro". É por esta razão que chifres de búfalos são sempre colocados em locais consagrados a Oyá-Yansã.
Tive a oportunidade de recolher esta história na Bahia. Ela apresenta, entretanto, algumas variações, em relação àquela que me foi contada posteriormente na África. Mas Cosme, um velho Pai de Santo, hoje falecido, pronunciava com perfeita correção a frase Yorubá citada acima.
Os Oriki, saudações dirigidas a Oyá, descrevem-na bastante bem:
"Oyá, mulher corajosa que, ao acordar, empunhou um sabre.
IOyá, mulher de Xangô.
Oyá, cujo marido é vermelho.
Oyá, que morre corajosamente com seu marido.
Oyá, vento da morte.
Oyá, ventania que balança as folhas das árvores que toda a parte.
Oyá, que é à única que pode segurar os chifres de um búfalo".
No Brasil, as pessoas dedicadas a Oyá-Yansã usam colares de contas de vidro cor e vinho. A quarta-feira é o dia semana que lhe é consagrado, o mesmo dia de Xangô, seu marido. Seus símbolos são os chifres de búfalo e um alfanje, colocados sobre seu Oeji. Ela recebe oferendas de cabras e acarajés (akará na África). Ela detesta abóbora. Carne de carneiro lhe é proibida. Quando se manifesta sobre uma das iniciadas está adornada com uma coroa cujas franjas de contas escondem o seu rosto. Ela traz um alfanje, em uma das mãos e um espanta-moscas, feito de cauda de cavalo, na outra. Suas danças são guerreiras e, se Ogun está presente, ela não deixa de se empenhar num duelo, lembrança, sem dúvida, de suas antigas divergências. Ela evoca também, por seus movimentos sinuosos e rápidos, as tempestades e os ventos enfurecidos. Seus fiéis saudam-na gritando: Epa Heyi Oyá. No Brasil, Oyá é sincretizada com Santa Bárbara e, em Cuba, com Nossa Senhora da Candelária.
Certas Yansãs, chamadas de Yansãs de Igbalé, ligadas aos cultos dos mortos, os Egunsguns, logo que começam a dançar, parecem expulsar as almas errantes com seus braços largamente abertos e estendidos para a frente.
O arquétipo de Oyá-Yansã é o das mulheres audaciosas, poderosas e autoritárias. Mulheres que podem ser fiéis e de lealdade absoluta em certas circunstâncias mas que, em outros momentos, quando contrariadas em seus projetos e seus empreendimentos, são capazes de se deixar levarem à manifestações da mais extrema cólera.

Mulheres, enfim, cujo temperamento sensual e voluptuoso pode levá-las a aventuras amorosas extra-conjugais múltiplas e freqüentes , sem reserva nem decência, o que não as impede de continuar muito ciumentas dos seus maridos por elas mesmas enganadas.
VOLTAR